Notícias e Publicações
2013/25/03
Risco País e Estudos Económicos

Os Riscos estão de regresso aos países emergentes

Os Riscos estão de regresso aos países emergentes
Os novos indicadores exclusivos da Coface

 

Apesar do crescimento, estimado em 5,1% em 2013 e de melhorias fundamentais das suas situações soberanas e externas, os riscos nos países emergentes não desapareceram completamente, mas alteraram o seu paradigma. Actualmente, três grandes riscos pesam sobre os mercados emergentes. Politicamente, as tensões aumentaram, ilustradas por protestos no Norte de África e no Médio Oriente e, agora também, na Rússia e na Índia. Economicamente,assistimos a um aumento de medidas proteccionistas. Financeiramente, o crescimento excessivo de empréstimos bancários ao sector privado, em várias economias emergentes, alimenta receios de uma bolha de crédito, principalmente na Ásia.

 
 

Risco crescente de instabilidade política, sustentado por uma maior frustração, mas também pela capacidade acentuada de traduzir essas frustrações em actos

 

A onda de revoluções no mundo árabe revelou novas exigências políticas, culturais e institucionais nas sociedades emergentes. Para analisar a capacidade de uma sociedade provocar rupturas políticas, a Coface criou uma grelha interpretativa, com dois tipos de indicadores: as pressões para a mudança (inflação, desemprego, controlo da corrupção, etc.), que medem a intensidade da frustração sociopolítica de um determinado país, e os instrumentos para a realização da mudança (educação, redes sociais, percentagem de jovens na população, o papel das mulheres, etc.), que traduz a capacidade das sociedades transformarem estas frustrações em acções políticas. 

 

Dos 30 países emergentes analisados, as regiões do Norte de África e Médio Oriente destacam-se claramente pela presença simultânea de uma forte frustração e de instrumentos para a mudança Esta análise aponta para a persistência do risco de instabilidade na região, especialmente, onde os regimes pós-revolucionários têm vindo a demonstrar ser incapazes de atender às exigências das suas populações, que foram quem os colocou no poder em primeiro lugar.

 

A Nigéria, Rússia, Cazaquistão e China apresentam níveis de frustração acima ou análogos aos da Tunísia e Egipto, mas com menos instrumentos para a mudança, uma condição que limita a sua capacidade de transformar esta frustração numa mudança política radical.

 

130325_press1
Aumento de proteccionismo, potencialmente problemático para o comércio

 

Desde 2008 que os controlos de capital e o proteccionismo tornaram-se armas de protecção contra as forças que escapam ao controlo das economias emergentes. Representam também um risco para o comércio. Note-se que a Rússia, Argentina e, em menor escala, a Índia têm, de longe, os níveis mais elevados de proteccionismo, enquanto que o México, a África do Sul e a Turquia continuam relativamente abertos ao comércio internacional.

 

O recurso massivo a medidas restritivas, pode resultar numa extensão dos atrasos de pagamento para os importadores mas, também, na criação de mais barreiras para as empresas que exportam para estes países proteccionistas. Enquanto, por hora,  os efeitos parecem limitados numa escala global, é expectável que sejam agravados num cenário de crescente divisão internacional nos processos de produção, naturalmente com um impacto negativo para as empresas, em toda a cadeia de valor. Para além disso, é provável que afecte mais os países europeus que procuram oportunidades de crescimento dinâmico, num período em que a procura interna continua enfraquecida.

 

 

O Risco crescente de uma bolha de crédito nos mercados asiáticos emergentes

 

As políticas monetárias expansionistas, colocadas em prática nas economias emergentes, desde a crise de 2008-2009 e as falhas na supervisão prudencial, têm gerado um crescimento sustentado do crédito bancário, a ponto de formar bolhas de crédito.

 

Com base num indicador resumido de bolhas de crédito, comparando o volume dos negócios a crédito e o crescimento do crédito, a Coface considera que a Ásia emergente é a região de maior risco (Malásia, Tailândia e, em menor medida, Coreia, China e Taiwan). Enquanto que o volume de crédito no sector privado doutros países não é tão elevado, mas aumenta rapidamente.

 

O Chile, a Turquia, a Rússia e a Venezuela também estão a enfrentar, ou prestes a enfrentar, uma expansão de crédito.

 

 

130325_press2

 

Transferir este comunicado de imprensa : Os Riscos estão de regresso aos países emergentes (209,08 kB)

Contacto


Para mais informações:

Cláudia MOUSINHO
Tel. (+351) 211 545 408
Mail claudia.mousinho@coface.com 

Início
  • Portugese