Notícias e Publicações
2015/30/09
Risco País e Estudos Económicos

Barómetro de risco-país da Coface (3ºT 2015) - Países emergentes enfrentam uma forte agitação

Coface Country Risk Assessment

Embora o crescimento mundial continue em recuperação, o mesmo não excederá os 3% pelo quarto ano consecutivo. As economias mais desenvolvidas estão a melhorar bastante: a actividade nos E.U.A. aumentou significativamente no segundo trimestre (previsão de 2.5% para 2015), graças às despesas de consumo e ao investimento e, na zona Euro (1.5%) a recuperação gradual da actividade continua.

 

 

Os países emergentes (crescimento previsto de 3.5% em 2015, 4.2% em 2016) operam num contexto ameaçado pela vulnerabilidade dos preços das matérias-primas e pela descida nas taxas de câmbio do dólar. Alguns dos maiores países emergentes sofreram um abrandamento da actividade (a China, a Turquia e a África do Sul) ou entraram em recessão (a Rússia e, agora, o Brasil). O recente colapso da bolsa de valores Chinesa e as suas consequências sobre os preços das matérias-primas, intensificaram essas vulnerabilidades. Segundo a Coface, o risco-país nos países emergentes irá manter-se, o que constitui um importante ponto de vigilância este ano.

 

Alguns países emergentes pequenos caem no abismo dos grandes

No contexto de um agravamento da situação macroeconómica nos países emergentes com maior dimensão, a Coface assinala um aumento no nível de risco também em vários países mais pequenos. 

  • A avaliação de A2 da Malásia está sob vigilância negativa. O país, dependente da procura externa, está a sofrer as consequências do abrandamento na economia chinesa (uma das suas principais parceiras) e com a queda de preços das matérias-primas. Os elevados níveis de dívida das famílias e de dívida pública são um risco.
  • A Arménia, avaliada com C, está sob vigilância negativa, devido à sua dependência económica e financeira da Rússia, à instabilidade política e à acentuada deterioração nas finanças públicas.
  • A Tunísia perdeu a vigilância positiva da sua avaliação B (desde Março de 2015), com uma forte probabilidade de entrar em recessão, após o golpe económico causado pelos ataques terroristas, particularmente no sector turístico. A permanente ameaça terrorista e o aumento das tensões sociais em sectores anteriormente afectados pela crise económica, apagaram os iniciais efeitos positivos da transição política.

 

América Latina: as avaliações de quatro países descem um nível 

A América Latina (previsão de uma recessão de 0.2% em 2015) enfrentou uma nova onda de revisões em baixa nas avaliações dos países. 

  • O Brasil, colocado sob vigilância negativa pela Coface em Março,  a sua classificação foi reduzida para B. A sua economia encontra-se em recessão (previsão de crescimento de -2.5% para 2015), num contexto de maior fragilidade política. As despesas de consumo doméstico, o principal motor de crescimento e o investimento, caíram dadas as repercussões do caso Petrobras.
  • O Equador, também colocado sob vigilância negativa pela Coface em Março, viu a sua avaliação ser agravada para C. Este país é o segundo mais afectado pela queda dos preços do petróleo (40% das receitas orçamentais, mais de 50% das exportações), o que tem impacto sobre a despesa pública e o investimento. As perspectivas para as empresas locais privadas parecem piores, devido à inexistência de acordo sobre as tarifas entre a Colômbia e o Peru. A economia é altamente dependente do Capital Chinês, por quem os empréstimos são assegurados através da adjudicação de concessões mineiras, das receitas do petróleo e da produção futura de electricidade.
  • O Chile, cuja avaliação sofreu uma redução para A3, enfrenta um declínio sustentado nos preços do cobre e enfrenta também o abrandamento na China (o principal destino do cobre Chileno). Os escândalos de corrupção estão a desestabilizar o ambiente empresarial.
  • Após a recuperação da recessão em 2012 e a desfrutar de um ambiente empresarial favorável, Trinidad e Tobago, actualmente com avaliação A4, sofre agora com os efeitos negativos do contínuo declínio do preço do petróleo. Persiste ainda outro problema: o desenvolvimento de infraestruturas e de fornecimento de gás. 

 

Changement-note-pays

 

 

 

 

 

FAÇA DOWNLOAD da publicação PANORAMA "AVALIAÇÃO DE RISCO PAÍS 3T 2015" 

  • Crescimento mundial preso em marcha lenta
  • Actualização da evolução de risco país
  • Relatório por país:  10 países

 

 

 

faça DOWNLOAD do mapa "avaliação risco-país - 3t 2015"

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Transferir este comunicado de imprensa : Barómetro de risco-país da Coface (3ºT 2015) - Países emergentes e... (400,21 kB)

Contacto


Alina BORDALO

Tel. (+351) 211 545 406
Mail alina.bordalo@coface.com  
 
 

Início
  • Portugese